segunda-feira, 11 de março de 2013

Vencendo a raiva


Vencendo a raiva

 

 

   Pesquisando sobre possíveis temas para o meu próximo texto a ser escrito no meu blog, me deparei com este texto do OSHO, para quem não sabe, ele foi um professor espiritual , atual, que com seus ensinamentos contribui  e muito, dentre muitas coisas, o auto conhecimento de uma forma própria, ele enfatizava a importância da meditação, atenção, arte, amor, celebração, coragem, criatividade e humor.

   “Lembre-se que cada situação pode se tornar uma oportunidade para meditar. Mas o que é meditação? Ficar  alerta do que você está fazendo, fica alerta do que está acontecendo a você.Alguém te insulta: fique alerta. O que acontece com você quando o insulto o atinge?           Medite sobre isso; isso vai mudar toda a Gestalt. Quando alguém insulta você, você se concentra na outra pessoa”Porque ele está me insultando? Quem ele pensa que é? Como posso revidar? “ Se o outro é muito poderoso, você se rende, começa a abanar o rabo; mas se ele não é tão poderoso assim, você cai em cima dele.

   Você se esquece inteiramente de si mesmo; o outro se torna o foco principal. Você perde uma oportunidade de ouro para meditar....De agora emdiante, quando alguém insultar você, medite.

   Gurdjieff contava que, quando seu pai estava morrendo, ele o chamou perto da cama e soprou um conselho ao ouvido. Gurdjieff tinha apenas nove anos; “Meu filho, eu não estou deixando muito para você, em termos de coisas terrenas, mas há uma coisa que eu preciso ensinar, e que me foi ensinada por meu pai, no seu leito de morte. Isso me ajudou tremendamente, e tem sido meu tesouro. Você ainda não é um adulto, e talvez não entenda o que estou dizendo, mas guarde isso, lembre-se disso. Um dia você vai crescer e entenderá. Essa é a chave que abre as portas de muitos tesouros.”

   Lógico que Gudjieff não estava entendendo tudo muito bem naquele momento, mas realmente foi uma coisa que mudou toda a sua vida. E o seu pai disse uma coisa muito simples. Ele disse: “Se alguém insultar você, meu filho, diga a ele que você vai meditar sobre isso por vinte e quatro horas, e daí volte com uma resposta

   Gurdjieff não podia acreditar que isso era uma chave poderosa. Ele não podia acreditar. Mas como era uma coisa sendo dita por seu pai, no leito de morte, e Gurdjieff o amava muito, ele o ouviu com atenção. Seu pai morreu logo após. Esse conselho ficou impresso nele, ele não podia esquecer. A qualquer momento que ele se recordasse do pai, ele se lembrava do conselho.

   Sem realmente entender muito , ele começou a praticar. Se alguém o insultava, ele respondia:”Senhor, devo meditar sobre isso por vinte e quatro horas; esse é um ensinamento do meu falecido pai. Como ele não está mais aqui, não posso desobedece-lo. Ele me amava muito, e eu também a ele; não há maneira de contrariá-lo. Podemos desobedecer nosso pai quando está vivo, mas depois que ele morre, como podemos? Então me desculpe, mas vou meditar por vinte e quatro horas e voltarei com uma resposta”.

   Meditar por vinte e quatro horas trouxe a Gurdjieff os maiores insights.

   “Algumas vezes, o insulto era correto, era do jeito que eu era. Então ele voltava à pessoa e dizia: Obrigado, o senhor está certo. Isso não é um insulto, é uma verdade. O senhor me chamou de idiota – eu o sou -.”

   “Ou, algumas vezes,  após meditar, ele reconhecia que o que fora dito era uma mentira absoluta. Mas quando uma coisa é mentira, quem vai se ofender? Então eu nem precisava voltar para dizer que era mentira. Uma mentira é uma mentira – quem vai se importar?”.

   Mas olhar, observar,meditar aos poucos fez com que Gurdjieff ficasse mais atento ás sua próprias reações, em vez de se enganchar nas reações dos outros.

 

   - Vamos nos espelhar em Gurdjieff – concentração em si mesmo – medite, volte para dentro de si e descubra  a sua verdade, a cura, e sejamos felizes.

 

   Pesquisando sobre possíveis temas para o meu próximo texto a ser escrito no meu blog, me deparei com este texto do OSHO, para quem não sabe, ele foi um professor espiritual , atual, que com seus ensinamentos contribui  e muito, dentre muitas coisas, o auto conhecimento de uma forma própria, ele enfatizava a importância da meditação, atenção, arte, amor, celebração, coragem, criatividade e humor.

   “Lembre-se que cada situação pode se tornar uma oportunidade para meditar. Mas o que é meditação? Ficar  alerta do que você está fazendo, fica alerta do que está acontecendo a você.Alguém te insulta: fique alerta. O que acontece com você quando o insulto o atinge?           Medite sobre isso; isso vai mudar toda a Gestalt. Quando alguém insulta você, você se concentra na outra pessoa”Porque ele está me insultando? Quem ele pensa que é? Como posso revidar? “ Se o outro é muito poderoso, você se rende, começa a abanar o rabo; mas se ele não é tão poderoso assim, você cai em cima dele.

   Você se esquece inteiramente de si mesmo; o outro se torna o foco principal. Você perde uma oportunidade de ouro para meditar....De agora emdiante, quando alguém insultar você, medite.

   Gurdjieff contava que, quando seu pai estava morrendo, ele o chamou perto da cama e soprou um conselho ao ouvido. Gurdjieff tinha apenas nove anos; “Meu filho, eu não estou deixando muito para você, em termos de coisas terrenas, mas há uma coisa que eu preciso ensinar, e que me foi ensinada por meu pai, no seu leito de morte. Isso me ajudou tremendamente, e tem sido meu tesouro. Você ainda não é um adulto, e talvez não entenda o que estou dizendo, mas guarde isso, lembre-se disso. Um dia você vai crescer e entenderá. Essa é a chave que abre as portas de muitos tesouros.”

   Lógico que Gudjieff não estava entendendo tudo muito bem naquele momento, mas realmente foi uma coisa que mudou toda a sua vida. E o seu pai disse uma coisa muito simples. Ele disse: “Se alguém insultar você, meu filho, diga a ele que você vai meditar sobre isso por vinte e quatro horas, e daí volte com uma resposta

   Gurdjieff não podia acreditar que isso era uma chave poderosa. Ele não podia acreditar. Mas como era uma coisa sendo dita por seu pai, no leito de morte, e Gurdjieff o amava muito, ele o ouviu com atenção. Seu pai morreu logo após. Esse conselho ficou impresso nele, ele não podia esquecer. A qualquer momento que ele se recordasse do pai, ele se lembrava do conselho.

   Sem realmente entender muito , ele começou a praticar. Se alguém o insultava, ele respondia:”Senhor, devo meditar sobre isso por vinte e quatro horas; esse é um ensinamento do meu falecido pai. Como ele não está mais aqui, não posso desobedece-lo. Ele me amava muito, e eu também a ele; não há maneira de contrariá-lo. Podemos desobedecer nosso pai quando está vivo, mas depois que ele morre, como podemos? Então me desculpe, mas vou meditar por vinte e quatro horas e voltarei com uma resposta”.

   Meditar por vinte e quatro horas trouxe a Gurdjieff os maiores insights.

   “Algumas vezes, o insulto era correto, era do jeito que eu era. Então ele voltava à pessoa e dizia: Obrigado, o senhor está certo. Isso não é um insulto, é uma verdade. O senhor me chamou de idiota – eu o sou -.”

   “Ou, algumas vezes,  após meditar, ele reconhecia que o que fora dito era uma mentira absoluta. Mas quando uma coisa é mentira, quem vai se ofender? Então eu nem precisava voltar para dizer que era mentira. Uma mentira é uma mentira – quem vai se importar?”.

   Mas olhar, observar,meditar aos poucos fez com que Gurdjieff ficasse mais atento ás sua próprias reações, em vez de se enganchar nas reações dos outros.

 

   - Vamos nos espelhar em Gurdjieff – concentração em si mesmo – medite, volte para dentro de si e descubra  a sua verdade, a cura, e sejamos felizes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário