quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Nosso Segundo Cérebro: Os Intestinos

Conheça o que pode nos levar a ter uma Prisão de ventre ou Intestino preso ou Constipação intestinal:

O intestino é o segundo cérebro(diz Dr. Hélio Póvoa). A alegria e a inteligência emocional de que tanto precisamos para viver bem, começam realmente a partir do intestino.
90% da serotonina, substancia responsável pela nossa sensação de bem estar, é produzida pelos intestinos. Consequentemente, as pessoas que tem constipação intestinal crônica, não tem uma boa produção de serotonina, logo, apresentam maior irritabilidade, propensão a depressão, e, no caso das mulheres, exacerbação dos sintomas da TPM.
Ele é reconhecido como um órgão autônomo, capaz de executar funções independentemente de estar conectado ao sistema nervoso central. É o intestino que seleciona, entre o que comemos, o que é ou não “útil”.
O órgão concentra, também 80% do potencial de imunidade do corpo humano, além de ser grande produtor de hormônios de crescimento (e do envelhecimento). E , por seus hormônios, podemos dizer, que por isso que ocorrem mais nas mulheres a prisão de ventre.

Causas mais comuns de prisão de ventre:
- dieta pobre em fibras;
-pequena ingestão de líquidos;
- sedentarismo;
- consumo excessivo de proteína animal e de alimentos industrializados;
- não atender a urgência para evacuar quando ela se manifesta.

A prisão de ventre pode ainda, estar associada a doenças do cólon e do reto, como diverticulose, hemorroidas, fissuras anais e câncer colorretal. Pode, igualmente, ser provocadas pelo uso de certos medicamentos e por alterações neurológicas e do metabolismo. Estresse, depressão e ansiedade são outras ocorrências capazes de interferir nos hábitos intestinais.
Sabemos que os intestinos representam a eliminação final de substâncias desnecessárias ao organismo. Por analogia, se um individuo está “segurando” em sua mente algo do passado, resistindo em não permitir que coisas e fatos novos entrem em sua vida e se incomoda com idéias de mudanças em seu espaço, o inconsciente lhe mostrará, através de um intestino preso(intestino que “segura”), que as coisas velhas devem ser eliminadas de seu coração.pode revelar um medo de abandonar o conhecido em prol do desconhecido. Este “medo” é até natural, pois o novo ser assustador, incerto. Entretanto, ele não pode paralisar um  processo que é natural: O crescer, o evoluir, o transformar-se. E para crescer, como no caso da lagosta, precisamos abandonar as velhas cascas, por mais seguras que sejam, para permitir uma versão mais crescida, mais confortável do ser.
Um intestino preso pode revelar também uma avareza para com a possibilidade de prosperidade e expansão da própria vida. Inclusive, é comum que pessoas que apresentam constipação crônica, tenham dificuldade de aprendizado e resistência para aceitar desafios. Em outras palavras, pessoas teimosas, controladoras, orgulhosas, cheias de razões. Olha lá!!!! Faça um outro olhar para dentro de si e tente perceber como está se colocando para o mundo, com certeza não está se percebendo e seu corpo está mandando a mensagem, não ignore, mas....vamos colocar algumas dicas:
-vá ao banheiro sempre que tiver vontade;
- beba muito líquido, mas “álcool” com moderação, pois ajuda a desidratar as fezes;
- saiba que a ingestão de farelos em pó pode aumentar a produção de gases;
- coma frutas, se possível com casca, nos intervalos entre as refeições;
- massagem na barriga mais ou menos uns 15 minutos diários;
- na hora da evacuação, procure relaxar, pois os movimentos peristálticos ficam mais ritmados. Procure seu ritual preferido: mesmo horários de preferência, ouvindo música, lendo, meditando, teste vários métodos até chegar ao seu ritual predileto;
- tente administrar as situações de estresse e as crises de ansiedade. Se precisar de ajuda, não seja “teimosa ou orgulhosa”, procure um profissional que possa te ajudar com psicoterapia, onde conseguirá entende melhor esta relação: intestino/problemas emocionais.

textos: 
Drauzio Varella.
Conceição Truncon – Somos todos um.
Livro de Cristina Cairo – Luiz Gasparetto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário