quinta-feira, 6 de julho de 2017

Ansiedade e medo


A ansiedade cria uma falsa imagem do mundo, vendo ameaças em situações que na verdade são inofensivas. a mente cria o medo. Se ela puder desfazer a percepção dele, o perigo desaparece.
Para começar, a vida não pode existir sem medo, mas ele gera paralisia e sofrimento. o medo tem alvo certo e específico; a ansiedade é errática e misteriosa. As pessoas ansiosas sempre tem medo de alguma coisa, uma nova preocupação ou uma nova ameça .Para encontrar uma solução, elas devem aprender a não lutar contra o medo, mas deixar de se identificar com seus medos. Este distanciamento só é possível se a pessoa entender o que torna o medo tão aderente.
Como a ansiedade se torna permanente e como lidar com cada parte individualmente:.

1- A mesma preocupação volta sempre. A repetição cola a reação de medo no cérebro.Ter pensamentos conscientes como:
- Estou fazendo isso de novo; sinto-me mal quando estou preocupado; preciso parar neste exato momento; o futuro é desconhecido. Preocupar-me com ele é inutil; não estou fazendo nenhum bem a mim mesmo.

2- O medo é convincente. Quando se acredita na voz dele, ele toma conta.
Convencer-se não é o mesmo que reconhecer a verdade. A voz do medo usa seu poder para convencer, mesmo quando não há o que temer. O distanciamento tem capacidade curativa neste caso. Quando a mente está guiando o cérebro para longe da ansiedade, tem pensamentos como os seguintes:
-Nada está acontecendo comigo. Posso lidar com a situação; o pior é extremamente improvável. E este não é o caso; não estou só. Posso pedir ajuda, se necessário; minha ansiedade é apenas um sentimento; esse sentimento faz sentido?; está tudo bem, e também estou bem neste momento.

3- O medo excita a memória. Aquilo que nos dá medo lembra algo ruim do passado, o que traz de volta a velha reação. Conscientizar-se da permanência das memórias requer novos pensamentos, como os seguintes:
-estou agindo como uma criança; era assim que eu me sentia há muito tempo; o que eu posso sentir agora que seja mais adequado á situação atual?; posso ver minhas lembranças como um filme, sem me identificar com a história que ele conta; isso que me assusta é apenas uma lembrança; o que existe realmente á minha frente?

4- O medo leva ao silêncio. Por vergonha ou culpa, não se fala dele, e por isso ele cresce.
Até encontrar um confidente maduro, você precisa cultivar pensamentos como os seguintes:
- Não quero viver com essa culpa; o silêncio está piorando a situação; por mais que eu espere, minha ansiedade não vai desaparecer por si só; existe alguém que já passou por isso; nem todo mundo vai me achar tão ruim como estou me achando. Deve haver alguém que me compreenda; a verdade tem o poder de me libertar.

5- O medo é uma sensação ruim, e por isso se empurra a dor para longe. Mas sentimentos reprimidos permanecem. Aquilo a que se resiste persiste.
Você deve preparar o terreno com os seguintes pensamentos:
- sei que estou escondendo alguma coisa, e isso dói; a revelação me dá medo, mas isso vai me curar; quero me sentir sem este peso; este sentimento me persegue e me deixa muito ansioso.

6- O medo é incapacitante. A pessoa se sente fraca demais para fazer alguma coisa contra ele.
Para livrar-se do medo de ficar ansioso, você precisa cultivar pensamentos como os seguintes:
- por mais assustador que isso seja, não vou morrer; preciso enfrentar minha sensação exagerada de perigo; como sei que vou sobreviver, posso me arriscar a não fugir do medo; posso encarar o medo e fazer coisas que me assustam; quando mais eu enfrentar o medo, mais dominio terei sobre ele; quando eu tiver controle total sobre ele, meu medo desaparecerá.

Esse é o passo final para se livrar da ansiedade permanente. Mas você pode resolver o problema começando por qualquer um dos passos . o objetivo é sempre o mesmo:; encontrar uma posição mais distanciada. As fobias provam que a realidade não é suficientemente forte para vencer o medo. o que é mais forte que a realidade? Saber que é você quem cria a realidade.


texto baseado no livro: Super cérebro - Deepk Chopra e Rudolph E. Tanzi










Nenhum comentário:

Postar um comentário