domingo, 7 de abril de 2019

cutting ou automutilação

                                        CUTTING OU AUTOMUTILAÇÃO




      Ás vezes são cortes, outras vezes são queimaduras, e algumas vezes é o resultado de se coçar de forma contente e insistente com o fim de provocar uma ferida. São atos impulsivos e incontroláveis.
     Mas, porque alguém gostaria de se machucar intencionalmente?????
     É uma estratégia onde a dor serve como forma de extravasar, para aliviar as emoções negativas, a sensação de solidão, o vazio, o isolamento, para distrair a atenção de outros problemas, para diminuir os sentimentos de raiva, liberar a tensão ou controlar o pensamento acelerado(American Psychiatric Association) .                                                                                                                                                   Esta forma de autodestruição é uma adaptação ruim ao estresse ou aos desafios da vida, e é quase a mesma conduta de um viciado que procura consumir para "esquecer".
     Este comportamento, surge com maior incidência durante a adolescência, por ser um período de transição, e está associada a várias mudanças: psicológica, social, cognitiva e física.
     De uma forma geral  a pessoa que se automutila tem baixa autoestima. sente-se muitas, sozinho, angustiado, sem conseguir lidar com as situações que percepciona como geradora de stress(frustrações, desvalorização e rejeição).
      Dificuldade em exteriorizar as suas emoções e pensamentos, não verbalizando com ninguém, estes vão se acumulando e aumentando os níveis de angústia e frustração.
      Ao sentir a dor física, o nosso cérebro liberta neurotransmissores que "socorrem a dor", as endorfinas. Estas substãncias químicas, em excesso, podem causar dependência. como estes comportamentos não são controláveis pela pessoa, que sente, em simultâneo, necessidade de o praticar e vergonha/culpa, após o fazer. E com estes sentimentos , procura esconder o máximo, evitando a exibição de seu corpo, não indo a praia ou fazendo exercício fisicos, sempre de camisa de manga longa ou calça cumprida, mesmo diante de um imenso calor.
      Embora crescente na população adolescente, a automutilação também acontece com a população adulta. O advento das redes sociais e super exposição contribui negativamente para a expansão dessas condutas.
     Muitos acham que é para chamar atenção, que é uma fase, que isso vai passar , menosprezando este tipo de comportamento. sim, pode ser, mas junto existe uma dor real, um pedido de ajuda, que não está sabendo administrar. E pode passar? sim, mas pode evoluir, vai correr o risco?
     Por isso a importância de um acompanhamento psicológico.
     A Terapia cognitiva, por exemplo, é muito eficaz nestes casos. Porque irá fazer com que a pessoa entre em contato com seus pensamentos negativos, disfuncionais, as suas crenças limitantes, onde conseguira mudar sua percepção em relação a este comportamento disfuncional, mudando seus pensamentos e consequentemente seu comportamento. E como vive dentro de um sistema familiar, poderá ser necessário um terapia familiar, sendo levantado as problemáticas existentes e o confrontamento das mesmas, num lugar seguro com o profissional.
     Durante o tratamento, há a possibilidades de recaídas, daí a necessidade constante da pessoa evitar ser exposta a pensamentos de dor. Nem sempre uma recaída está relacionada com um problema grave, como a morte de um ente querido ou o divórcio dos pais, uma simples discussão pode desencadear níveis significativos de dor e sofrimento.
   

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Término de um relacionamento

                           TÉRMINO DE UM RELACIONAMENTO



     O fim de um relacionamento, não importa de qual tipo, é sempre um processo doloroso, mesmo que seja o melhor a ser feito no momento.
     Isso acontece por duas razões:

1) porque temos que mudar os hábitos que estavam ligados ao relacionamento, bem como lidar com a ausência , com a mudança e com novos hábitos e maneiras de viver;
2) além disso, este é um momento no qual as emoçoes e sentimentos ficam confusos e, em pouco tempo, passamos da raiva para a saudade, tristeza, ansiedade, medo e sensação de liberdade.

     Para superar o fim de um relacionamento, é importante sentir todas as etapas de um luto: a negação, a raiva, a tristeza, o vazio, a aceitação e a vontade de recomeçar.

     O fim de um relacionamento pode balançar sua autoestima e autoconfiança, e isso só dificultará seu recomeço. Preste atenção a seus pensamentos: estão muitos negativos em relação a você mesmo/a? a seu futuro? Não os negue, confronte-os, desafia-os. Sou isso mesmo? Sempre fui? Etc..
Com certeza achará vários outros pensamentos positivos em relação a você. Todas as pessoas têm forças e fraquezas, bem como talentos e limitações. Neste momento tem que buscar seu positivo.

      Seus medos irão aparecer. O término de um relacionamento dispara diversos medos relacionados ao temor da rejeição e do abandono, que surgem ainda quando estamos no ventre materno. Esses medos fazem parte de todo ser humano e algumas situações da vida funcionam como um gatilho e contribuem para que eles venham a tona e distorçam a realidade. O término de um relacionamento pode ser um desses gatilhos.

     Quais são seus seus pensamentos negativos neste momento? Quais os medos? Medo de ficar sozinho/a? De não ser bom/a o suficiente? De não encontrar ninguém?....
     O primeiro passo é identificá-los e depois procurar evidências para avaliar se estas probabilidades podem se tornar realidades mesmo. Quando fizer isso, descobrirá que as probabilidades são pequenas para isso acontecer, se não forem nulas. Perceba que muitos medos não são reais e que outros são bem menores do que você imagina.

     Outra emoção que precisa ter cuidado é a raiva. A raiva surge das decepções, frustrações das expectativas criadas por você a respeito da pessoa que criou, do futuro que criou junto com a pessoa. Sinta-a, não é negando que a superará, mas tbém não é se apegando a ela.

     Decida que você merece o melhor em sua vida, deixe a vontade de mudar, de vencer e ser feliz aparecer.